Fotografia: @vaun0815. Fonte: Unsplash.

Ao longo dos últimos meses soltamos vários artigos focados em revestimentos, já conversamos sobre massa corrida, gesso, diferenças entre emboço, reboco e chapisco, mas hoje falaremos sobre os revestimentos cerâmicos. Eles são bastante empregados na construção civil, principalmente nas etapas de acabamento, sua enorme variação de modelos, tamanhos e materiais tornam essa categoria muito atraente para os projetistas e construtores. As principais vantagens do revestimento cerâmico residem em:

• Durabilidade do material.
• Facilidade de limpeza.
• Higiene.
• Qualidade do acabamento final.
• Proteção dos elementos de vedação.
• Isolamento térmico e acústico.
• Estanqueidade a água e aos gases.
• Segurança ao fogo
• Aspecto estético e visual agradável.

Outro ponto importante é a possibilidade de calcular com exatidão a quantidade de peças necessárias para execução da obra. O modelos de revestimentos cerâmicos são bem viariados e vão dos pisos e azulejos mais comuns aos modernos porcelanatos e pastilhas, existem indicações mais adequadas a cada tipo de ambiente e exposições (internas e externas).

Tipos de Cerâmicas

Quando falamos em cerâmicas, podemos dizer que existem três tipos que dominam o mercado da construção civil, as convencionais, os porcelanatos e as pastilhas. Mas, não se preocupe que vamos falar um pouquinho de cada um deles.

Cerâmicas comuns (ou convencionais)

Essas são aquelas peças quadradas (quase sempre) que estamos acostumados a ver na maioria das casas, tem uma durabilidade boa e geralmente são compostas por argila e outros minerais. As cerâmicas comuns são feitas através de um processo de queima em alta temperatura, isso vai determinar a resistência a abrasão (PEI) e a absorção da água pelo material. É mais comum encontrarmos esse material sendo utilizados em pisos e paredes.

white round table with chairs
Fotografia: Laura Lauch. Fonte: Unsplash.

Porcelanatos

Este aqui é produzido a partir da mistura de porcelana com minerais, seu índice de absorção de água é quase zero, também é muito resistente e com ótima durabilidade. Sua versatilidade permite que seja utilizado de várias maneiras, possibilitando assim acabamentos com diversos tipos de cores e formatos.

O porcelanato pode aparecer em formato de peças ou na forma liquida (onde ocorre uma aplicação e esperasse a cura), vale a pena lembrar que esse material pode ser utilizado em pisos e paredes em espaços internos e externos, mas sempre tomando cuidado para escolher modelos antiderrapantes para espaços com bastante movimentação.

white blue and red concrete building
Fotografia: Restu Sisworo. Fonte: Unsplash.

Pastilhas

Pastilhas cerâmicas podem ser encontradas em vários lugares, de acabamento em cozinhas à fachadas de prédios, isso acontece por conta da sua variedade de cores e formatos, as soluções de uso são as mais variadas possíveis. Criação de detalhes, mosaicos, expressões artísticas, destacar ambientes por cores, a imaginação é o limite. Sua aplicação pode ser feita em fachadas, áreas de lazer, cozinhas, banheiros, cabeceira de cama, painel de tv, piscinas,etc.

Além disso, as pastilhas também podem ser de vidro, de porcelanato ou até mesmo misturas com pedra ou metal. Elas são vendidas em telas que facilitam uma aplicação rápida e fácil, também existem argamassas específicas para esse material, então na hora de comprar preste atenção nesses detalhes.

green plant near white wall
Fotografia: Lysander Yuen. Fonte: Unsplash.

Classificação PEI

Os revestimentos cerâmicos também possuem uma classificação PEI onde é indicado qual o tipo de resistência mecânica e abrasiva deve-se usar de acordo com a atividade, abaixo temos um infográfico explicativo. Essa classificação pode ser verificada no momento da compra e na caixa do produto, basicamente é o seguinte, quanto menor o PEI, menos resistente ele vai ser ao contato com materiais abrasivos, areia, sujeira, etc. Na prática, isso significa que o esmalte da cerâmica vai ser afetado com mais intensidade por esses materiais.

PEI das Cerâmicas, Passo a Passo! - Pedreirão
Fonte: Site Pedreirão.

Exemplo de aplicação


De acordo com Santos (2018) a forma de assentamento de cerâmicas consiste das seguintes etapas:

>Preparo da argamassa colante.
>Colocação das placas cerâmicas.
>Execução das juntas.
>Cura.
>Limpeza.

O preparo da argamassa pode ser realizado de forma manual ou utilizando misturador. O processo consiste na adição de água especificada sobre o produto e mistura até que a mesma fique homogênea.

A argamassa preparada deve ficar em repouso pelo período de tempo indicado na embalagem, sendo o tempo de trabalho com o produto não deve ser superior a 2h30min.

O método de aplicação da argamassa colante depende da área da placa cerâmica a ser assentada, sendo:

• Cerâmicas com área ≤ 400 cm²: a aplicação da argamassa é somente na parede, estando a peça cerâmica limpa e seca para o assentamento.
• Cerâmicas com área ≥ 400 cm²: a argamassa é aplicada tanto na parede e na própria peça (dupla colagem). A desempenadeira dentada forma cordões que entre as superfícies devem se cruzar em ângulo de 90º, e a cerâmica deve ser assentada de tal forma que os cordões estejam perpendiculares entre si.

Na colocação das peças cerâmicas na alvenaria, os cordões de argamassa colante devem ser totalmente esmagados (camada uniforme) e permitindo o contato pleno da argamassa com todo o verso da peça. A espessura da camada final de argamassa é de 5 a 6 mm.
As placas cerâmicas devem ser colocadas, ligeiramente fora de posição, sobre os cordões de cola. O posicionamento da peça deve ser ajustado e o revestimento cerâmico é fixado por meio de um ligeiro movimento de rotação.

As juntas entre placas cerâmicas podem ser asseguradas com uso de espaçadores plásticos, os quais garantem a qualidade do alinhamento das juntas e a dimensão requerida entre peças.

A execução das juntas deve ser realizada após três dias de assentamento das placas. Após o preparo da argamassa de rejunte, deve-se proceder a aplicação com desempenadeira com base de borracha flexível. Após secagem inicial da argamassa, deve-se remover o excesso com pano, esponja ou estopa úmidos.

Após a execução das juntas deve-se realizar a limpeza de todo o revestimento cerâmico. Terminando esse processo, é necessário aguardar aproximadamente 15 dias de cura para que as reações físicas e químicas, que ocorrem com as argamassas, possam acontecer.

Separamos aqui um vídeo onde dá para ver um passo a passo bem explicado de como aplicar esse revestimento, apesar de ser claramente um conteúdo promocional da marca, nós não fomos patrocinados (porém estamos aceitando patrocínios e parcerias) e estamos divulgando só porque achamos o conteúdo bem didático mesmo.

O Habitamos agradece sua visita, estamos sempre abertos a críticas e sugestões, caso tenha algum tema que quer ver tratado por aqui, deixa um comentário que a gente dá uma olhada. Ps: Vale a pena dar uma conferida no artigo onde falamos sobre paginação de pisos e paredes, lá tem dicas importantes na hora de comprar material de revestimento cerâmico.

Nesse artigo, utilizamos como referência:

SANTOS, Liane Ferreira dos; REAL, Ligia Vitória; LOPES, Karina Leonetti. Materiais de Construção Civil II. 2018. 212p. Editora e Distribuidora Educacional S.A., Londrina, 2018.

Caso precise citar esse artigo em algum trabalho de acadêmico utilize:

LOBO, Diego Augusto. Entenda o que é argamassa, reboco, emboço e chapisco. Habitamos Arquitetura, 2020. Disponível em: <http://www.habitamos.com.br/revestimentos-ceramicos/>. Acesso em: “colocar data aqui”.

Assine a Newsletter do Habitamos

No spam guarantee.

Deixe seu comentário e contribua com o crescimento do Habitamos